ÚLTIMAS NOTÍCIAS

domingo, 30 de outubro de 2016

Dor nas pernas podem indicar doenças graves: conheça os motivos e o que fazer para combater


Normalmente a dor nas pernas em repouso indica problemas de circulação, como doença vascular periférica, enquanto dor nas pernas ao acordar pode ser sinal de câimbra noturna ou falta de circulação. A dor nas pernas e nas costas pode ser sintoma de problemas na coluna ou compressão dos nervos, já a dor nas pernas e cansaço pode estar relacionada com excesso de atividade física.

A dor nas pernas podem ser causadas por problemas vasculares como má circulação ou varizes, esforço físico ou neuropatia, por exemplo e para identificar a sua causa deve-se observar o local exato e as características da dor, e se as duas pernas são afetadas ou somente uma.

Outras causas menos comum de dor nas pernas são câncer nos ossos, lúpus, gota e doença de Paget. Quando a dor nas pernas está mais relacionada ao cansaço e falta de energia o médico pode suspeitar de fibromialgia, síndrome da fadiga crônica ou dor miofacial, por exemplo.

Dor nas pernas por má circulação

A dor nas pernas causada por má circulação afeta principalmente idosos e pode surgir em qualquer hora do dia, mas piora após passar algum tempo sentado ou de pé na mesma posição. Os pés e os tornozelos podem ficar inchados e com uma coloração arroxeada, indicando êxtase venosa e dificuldade no retorno do sangue para o coração.

Em caso de trombose a dor é localizada, mais frequentemente, na ‘batata da perna’, é intensa e há alguma dificuldade para movimentar os pés. Além disso é comum que a dor afete somente uma perna, haja inchaço e aumento da temperatura nesta região. Esta é uma situação que pode acontecer após alguma cirurgia ou quando a pessoa precisa ficar muito tempo sentada na mesma posição, como pode acontecer numa viagem de avião, por exemplo.

A má circulação é caracterizada pela dificuldade do sangue passar pelas veias ou artérias, gerando sintomas como pés inchados, dor nas pernas, mãos frias e varizes nas pernas. É uma situação comum, especialmente em indivíduos com excesso de peso ou em mulheres que tomam a pílula anticoncepcional.

Alguns casos de má circulação podem ser hereditários e se manifestar constantemente, porém em alguns indivíduos pode surgir devido a outras causas, como passar muito tempo de pé, cruzar as pernas ou o envelhecimento do corpo.

Sintomas de má circulação

Os sintomas da má circulação do sangue incluem:

  • Pés e mãos frias
  • Inchaço das pernas e pés
  • Dor e cansaço nas pernas
  • Pele seca e escamosa
  • Sensação de formigamento nas pernas
  • Varizes.
  • Para reduzir estes sintomas os pacientes podem elevar as pernas, com almofadas, no final do dia ou dormir com as pernas mais altas que o corpo.

O que fazer para má circulação

O que se pode fazer para má circulação é:

  • Praticar atividade física regularmente
  • Usar meias de compressão elásticas
  • Não ficar muito tempo sentado ou de pé
  • Diminuir a quantidade de sal na comida
  • Estar dentro da faixa de peso ideal.
  • Além destas dicas os indivíduos devem evitar o acúmulo de gordura e verificar anualmente os níveis de colesterol no sangue, pois o colesterol alto prejudica a circulação.

No caso da mulher, também é importante manter acompanhamento com o ginecologista, principalmente durante o uso da pílula anticoncepcional.

Nutrição e remédios favoráveis

A vitamina E é recomendável para aqueles que sofrem de problemas de circulação. Também, o Creme de Pimenta de Caiena é utilizado para ser aplicado externamente, podendo melhorar a dor nas pernas. A niacina ou Vitamina B 3 relaxa os vasos sanguíneos melhorando a circulação. O extrato de alcachofra diminui a pressão arterial, e previne a arteriosclerose.

Os remédios que podemos utilizar para melhorar a circulação das pernas generosamente agraciados pela nossa mãe natureza são:

Ginkgo biloba: possui a capacidade de dilatar as veias e, dessa maneira, o sangue circula melhor.

Alho: evita a formação de coágulos.

Unha de gato: diminui a capacidade de coagulação do sangue.

Cavalinha: Atua como diurético, melhorando a circulação. Faça uma decocção durante 30 minutos de 100 gr da planta seca por litro de água. Beba dois copos por dia.

Hamamélis: Pode-se esfregar ou realizar fricções com a água de hamamélis para aliviar a dor e o inchaço das pernas com varizes.

Castanheiro-da-índia: Faça uma decocção da casca em uma colherinha por copo de água. Beba dois copos por dia.

O que é decocção?

É quando as partes da planta são fervidas junto com a água por alguns minutos. Esta técnica é aplicada geralmente para o preparo de chás das cascas, raízes ou pedaços de caule, que por serem mais duros precisam de um método mais rigoroso para a extração para a água dos compostos benéficos presentes na planta. Para se obter o efeito esperado, é preciso seguir qual o modo indicado de preparo do chá escolhido.

Argânia: o óleo de argânia pode ser utilizado cru para temperar a salada.

Salgueiro: Faça uma infusão de uma colherada pequena da casca por copo de água. Beba um copo a cada dois dias.

Má circulação na gravidez

A má circulação na gravidez é uma situação frequente, porque, durante este período, o organismo da mulher produz mais líquidos para manter a irrigação da placenta, o que dificulta o trabalho das veias.

Além disso, existe produção de relaxina, um hormônio que provoca a dilatação das veias, dificultando o retorno do sangue ao coração.

Assim, para evitar a má circulação, as grávidas devem descansar várias vezes durante o dia, utilizar meias elásticas e fazer massagens nas pernas.

Como aliviar: Deitar de barriga para cima com as pernas elevadas durante 30 minutos pode ajudar, mas o médico pode indicar o uso de remédios para melhorar a circulação, assim como o uso de meias de compressão elástica. Em caso de suspeita de trombose o médico deve ser rapidamente avisado.

A natação e os passeios de bicicleta são muito recomendados para prevenir as varizes. Quando for descansar, o melhor é elevar as pernas para contribuir com o retorno venoso, evitando o estancamento do sangue.

Devemos evitar expor as pernas a muito calor, seja tomando sol em horários pouco adequados ou com banhos de imersão muito quentes. Poderíamos optar por roupas mais folgadas e cômodas ao invés de calças justas, que limitam a boa circulação do sangue.

A depilação com cera quente não é recomendada para aqueles que sofrem de varizes. As massagens também são benéficas, mas não podem ser bruscas e com muita pressão. Devem ser realizadas por um especialista, pois, caso contrário, poderiam agravar os sintomas.

Dor nas pernas de origem muscular

A mialgia pode surgir após esforço físico, praticar exercício físico ou usar um sapato desconfortável e neste caso, a dor geralmente surge no final do dia e é muitas vezes dita como ‘cansaço nas pernas’. Outra causa comum de dor nas pernas de origem muscular são as cãibras que normalmente ocorrem durante a noite e também durante a gravidez.

Como aliviar: evitar a dor é sempre o melhor remédio! E no caso das dores musculares nas pernas, há várias coisas que se podem fazer para evitar que estas apareçam ou que, pelo menos, não se manifestem em toda a sua intensidade. A começar por uma alimentação saudável e por hábitos de vida cuidados, fugindo ao tabaco e ao álcool. Também não convém exagerar no açúcar!

Imprescindível é também manter uma rotina de prática desportiva ou, pelo menos, fazer caminhadas ou dar longos passeios a pé com regularidade.

Dormir bem e de forma devidamente repousante é outro truque essencial para evitar tensões musculares nas pernas e na generalidade do corpo. Deve tentar dormir durante oito horas por noite para garantir um sono realmente revitalizante, como deve ser.

Se o seu trabalho obriga a ficar em pé ou sentado durante muitas horas seguidas, é bom que se habitue a fazer pausas para esticar e alongar os músculos. Manter este tipo de posturas de forma continuada tende a provocar e a agravar as dores musculares nas pernas.

Tomar um banho morno e deitar com as pernas elevadas porque isso facilita a circulação sanguínea e a desinchar.

Dor nas pernas causada por problemas de coluna

Quando a causa da dor nas pernas são alterações na coluna, a pessoa pode sentir dor no fundo das costas, glúteos e parte detrás da coxa, além da dor pode haver sensação de formigamento ou fraqueza nas pernas. A dor nas pernas ao caminhar pode ser sintoma de inflamação do nervo ciático ou hérnia de disco.

Como aliviar: Colocar uma compressa morna no local da dor, deixando atuar por 20 minutos, além de evitar esforços, levantar objetos pesados e em alguns casos pode ser preciso fazer fisioterapia.

Se você responder sim a qualquer uma das perguntas a seguir, você deve consultar um especialista em coluna:

1. Sua dor na parte inferior das costas se prolonga até sua perna? Se a dor é persistente e severa, ela é um sinal de que algo está comprimindo um nervo (comumente o nervo ciático) que se prolonga de suas costas para a perna.

2. A dor na sua perna aumenta se você levantar seu joelho até o peito ou se curvar sobre ele? Em caso positivo, há uma grande possibilidade de um disco estar irritando um nervo (provavelmente ciático).

3. Você sentiu uma dor muito forte após uma queda recente? Uma queda pode causar danos a sua coluna. As chances de lesões aumentam se você tiver osteoporose ou se estiver gestante.

4. Você Possui disfunções ou problemas de postura? Durante a infância e adolescência, desenvolvemos vícios posturais que na fase adulta podem se estruturar em problemas de postura que com o tempo passam a gerar dores musculares, como segue abaixo.

5. Você tem sentido dores nas costas que pioram quando você repousa ou que o acordam à noite? Se isso estiver acompanhado por febre, pode ser sinal de que há uma infecção ou outro problema, se não, identifica compressão em nervos que pioram durante o repouso do sono.

6. Você tem sentido dores nas costas significativas por mais de três semanas? Geralmente, a dor desaparecerá com um tratamento simples. Entretanto, se sua dor persistir, você deve consultar um especialista em coluna.

7. Você tem problemas persistentes de bexiga ou de intestinos ou cólicas em período menstrual associados a dor lombar? Problemas de bexiga ou de intestinos podem ter diversas causas, mas alguns problemas de coluna podem causar esses sintomas, portanto há a necessidade de investigar. Em caso de cólica menstrual associada a dor lombar, justifica-se pelo aumento de tensão dos músculos lombares durante este período, que podem ser devidos a ma postura.

8. Você acorda frequentemente com dores no corpo e associa que piora durante o sono? Devemos estar atentos a postura de dormir, pois dores na coluna causam distúrbios do sono e o uso de cama ou travesseiros inadequados pioram as dores. O ideal e manter a coluna alinhada, podendo usar um travesseiro embaixo da cabeça e outro entre as pernas, alinhando a coluna cervical e lombar com a coluna torácica.

9. Você fica com as pernas adormecidas ou enfraquecidas ao caminhar? Esses problemas podem ser causados por um estreitamento do canal vertebral. Isso é chamado de estenose vertebral onde pode estar havendo um pinçamento de nervos.

10. Você sente dores de cabeça em aperto na região da nuca que desce para os ombros, podendo chegar ate os braços? Quando ocorrem disfunções na coluna cervical comumente pode ser devido a compressão de nervos dos ombros, braços, cabeça ou face. Caso as dores persistirem, necessita-se procurar fisioterapeuta especializado .

Dor nas pernas devido a problemas articulares

Especialmente nos idosos a dor nas pernas pode estar relacionada a problemas ortopédicos como atrite ou artrose, neste caso outros sintomas devem estar presentes como dor nas articulações e rigidez nos primeiros 15 minutos da manhã.

A dor nas articulações, também chamada de dor articular, é uma sensação de desconforto, dor ou incômodo em uma ou mais articulações do corpo. Dor nas articulações pode ocorrer com ou sem movimento muscular e pode ser grave o suficiente para limitar o movimento. As pessoas também costumam descrever a dor nas articulações como desconforto, inflamação, sensação de queimação ou rigidez.

As articulações são estruturas complexas incluindo, além das extremidades ósseas, cartilagem, membrana sinovial, ligamentos, tendões e bursas e é graças a elas que conseguimos nos mexer. As articulações se movimentam constantemente, de modo que problemas não são incomuns nessas regiões.

Causas

A dor nas articulações pode ser causada por vários tipos de lesões ou doenças. Independentemente da causa, a dor nas articulações pode ser muito incômoda.

Artrite reumatoide é uma doença autoimune que causa rigidez, dor e inflamação nas articulações. A osteoartrite envolve o crescimento dos osteófitos (chamados de “bico de papagaio” quando aprecem na coluna) e a degeneração da cartilagem de uma articulação. É a causa mais comum de dor articular em adultos com mais de 45 anos.

A dor articular também pode ser causada por bursite (inflamação das bursas). As bursas são bolsas cheias de líquido que protegem e absorvem o impacto sobre das proeminências ósseas, permitindo que os músculos e tendões se movimentem livremente sobre o osso.

Inúmeras outras causas podem estar por trás da dor nas articulações. Veja:

  • Doenças autoimunes, como artrite reumatoide e lúpus
  • Condromalácia patelar
  • Gota (especialmente no dedão do pé)
  • Doenças infecciosas, que incluem -Síndrome viral de Epstein-Barr
  • Hepatite A, B ou C
  • Gripe
  • Doença de Lyme
  • Sarampo
  • Caxumba
  • Parvovirose
  • Febre reumática
  • Rubéola
  • Varicela (catapora)
  • Lesões, inclusive fratura
  • Osteomielite
  • Artrite séptica
  • Tendinite
  • Esforço fora do normal ou uso excessivo, incluindo tensões ou torções.
  • Entre em contato com um médico se você:
  • Tiver febre não associada a sintomas de gripe
  • Tiver perda de peso não intencional
  • Apresentar dor nas articulações durar com mais de três dias de duração na mesma articulação
  • Sentir dor forte e inexplicada nas articulações, especialmente se tiver outros sintomas inexplicados.

Cuidados

Quem nunca sofreu com dores nas costas, nos joelhos ou nos ombros? Dores crônicas nessas regiões do corpo atingem aproximadamente 15 milhões de pessoas no Brasil, segundo dados do Ministério da Saúde. Quando não é tratada, essa dor e inflamação nas articulações podes evoluir para doenças graves, como a osteoartrite. Diferente do que se pode imaginar, não é somente a terceira idade que precisa ficar atenta – as dores nas articulações podem atingir qualquer faixa etária. Se as articulações começarem a doer sem motivo aparente, uma das principais recomendações médicas é aplicar calor ou gelo para aliviar a dor. Caso a dor não diminua, o ideal é sempre consultar um médico para determinar se existem problemas mais sérios.

Como aliviar: confira os cuidados que você pode adotar para tratar as dores nas articulações e, ainda, prevenir que esse desgaste evolua para uma doença no futuro – embora não exista nada que de fato previna alguma doença articular:

Controle o peso: estar acima do peso pode aumentar a pressão sobre as articulações. O aumento de peso também pode alterar a maneira de andar da pessoa, intensificando as dores. Além disso, a obesidade normalmente está associado a hábitos sedentários e músculos menos tonificados – fatores que pioram a sobrecarga nas articulações. Uma alimentação saudável e exercício físico regular são essenciais para manter as articulações saudáveis.

Faça exercícios: a prática de exercícios físicos é essencial para manter as articulações funcionando bem, já que as eles ajudam a melhorar o equilíbrio e controlar o excesso de peso. Além disso, exercícios que fortalecem os músculos diminuem a sobrecarga nas articulações e favorecem o alívio de dores. Músculos fortes dão maior estabilidade ao corpo, tirando a tensão de articulações. Ao iniciar as atividades físicas opte por exercícios de baixo impacto, como bicicleta, natação ou caminhada, para reduzir a pressão sobre as articulações. O paciente também deve considerar a incorporação de exercícios de fortalecimento muscular em sua rotina, pois os músculos fortalecidos aliviam o trabalho das articulações.

Mudanças na dieta: a ingestão de alimentos ricos em cálcio e vitamina D, como leite e seus derivados, couve e espinafre, é importante para manter a densidade dos ossos, evitando e problemas como a osteoporose. Essa dupla ajuda a manter os ossos saudáveis.

Não fique o tempo todo sentado: quanto mais as articulações são usadas, maior será sua lubrificação e sua eficiência. Por isso, pessoas que permanecem longos períodos sentadas possuem mais chances de sofrer dores nas articulações do corpo. Além disso, pessoas que se movimentam mais tendem a ter músculos mais alongados, fator que protege as articulações. A coluna é, ainda, a maior vítima das horas sem se movimentar. Procure levantar-se de tempos em tempos para alongar e a caminhar.

Largue o cigarro: a fumaça do cigarro diminui sua massa óssea, enfraquecendo suas articulações. Ossos fracos aumentam o risco de uma lesão. Além disso, o tabagismo aumenta a inflamação em seu corpo, que pode afetar as articulações e causar dores. Recentemente foi demonstrado que o tabagismo é um fator que aumento o risco de desenvolver artrite reumatoide e, possivelmente, um caso ainda mais grave da doença.

Dê um descanso para os pés: o salto alto, por concentrar praticamente todo o peso no corpo nos dedos e na ponta do pé, pode causar dores crônicas nessa região se for usado com muita frequência. O salto alto também provoca uma mudança em toda a mecânica do caminhar, alterando o modo como o corpo se equilibra e sobrecarregando algumas articulações.

Alongue-se com mais frequência: A maioria das pessoas alonga-se um pouco antes ou depois de uma atividade física, mas o alongamento deve ser incorporado em sua rotina diária. Faça pausas durante o dia para manter seu corpo flexível e articulações com movimentos suaves. Você pode fazer alguns alongamentos básicos em sua mesa ou mesmo uma aula de ioga ou pilates – que juntam alongamento e exercícios.

Faça massagens: relaxar a musculatura é bom para liberar a tensão muscular. Receber massagens regularmente ajuda a relaxar os músculos e articulações e ajuda você a se sentir revigorado. Você pode fazer uma auto massagem, pedir para um amigo ou parente lhe ajudar ou então recorrer a um profissional. O médico pode indicar remédios e fisioterapia.

Dor nas pernas na gravidez

A dor nas pernas na gravidez é um sintoma normal, principalmente no início da gravidez, pois há um grande aumento de produção de estrogênio e a progesterona, que provocam dilatação das veias das pernas, aumentando o volume de sangue nas pernas da mulher. O crescimento do bebê no útero, assim como o aumento de peso da grávida, levam a compressão do nervo ciático e da veia cava inferior levando ao inchaço e dor nas pernas.

Como aliviar: a gravidez sobrecarrega o corpo da mulher e, principalmente, seu sistema cardiovascular. E é ai que surgem os inchaços e as dores nas pernas. A circulação fica mais lenta. No calor, o inchaço fica mais evidente e o repouso traz um grande benefício. O que ajuda nessa fase: prática de uma atividade física, como a caminhada, o uso de meias elásticas de suave a média compressão, fisioterapia e drenagem linfática. A ingestão de líquidos estimula o funcionamento dos rins e isso também colabora para a redução do inchaço. Vale ainda evitar comidas salgadas. Deitar de barriga para cima, com os joelhos dobrados, fazendo um exercício de alongamento da coluna e descansar com as pernas elevadas.

Quando ir no médico

É aconselhado ir no médico quando a dor nas pernas é muito intensa e quando existem outros sintomas. Também é importante ir ao médico:

  • Quando a dor na perna é localizada e muito intensa
  • Quando há rigidez da panturrilha
  • Em caso de febre
  • Quando os pés e tornozelos estão muito inchados
  • Em caso de suspeita de fratura
  • Quando não permite o trabalho
  • Quando dificulta a caminhada.
  • Na consulta deve-se dizer a intensidade da dor, quando ela surgiu e o que foi feito para tentar amenizar. O médico poderá solicitar exames para indicar o tratamento adequado, que por vezes pode incluir uso de medicamentos ou fisioterapia.

Razões para a dor

A dor na perna de causa vascular pode ter basicamente duas razões: circulação arterial deficiente ou um problema no retorno do sangue venoso. As artérias são responsáveis por transportar o sangue para fora do coração e distribuí-lo pelo corpo até a ponta dos dedos dos pés. As veias, por sua vez, recolhem esse sangue, que contém impurezas e pouca oxigenação, e levam de volta ao coração e ao pulmão, renovando a quantidade de oxigênio e nutrientes.

Quando o problema é arterial

Quando há uma deficiência na circulação arterial, falta sangue rico em oxigênio e nutrientes para irrigar os tecidos. O sintoma mais comum nesses casos é o que chamamos de claudicação intermitente, que provoca uma sensação de cãibra nas pernas – principalmente durante exercícios físicos. Este sintoma é muito comum durante caminhadas, pois, quando andamos, precisamos de sangue para irrigar os músculos. Se esse sangue não chega de forma adequada, sentimos uma dor forte, e precisamos parar para melhorar. Somente depois de um tempo parados é que podemos, então, retomar a caminhada por mais um período, e assim sucessivamente. A dor causada por este problema é pior quando há necessidade de se fazer mais esforço, como ao subir uma rua inclinada ou durante uma corrida. Nesses casos, a dor aparece rapidamente, e costuma melhorar quando estamos parados, assentados ou deitados.

No caso de falta de circulação, o recomendado é que o paciente não deixe as pernas em posição elevada, pois o sangue que já chega ao final das pernas com dificuldade, mesmo com a ajuda da gravidade, vai chegar com ainda mais dificuldade se a perna estiver inclinada para cima. Esses sintomas costumam ser piores em dias frios devido à vasoconstricção, que diminui a circulação nas extremidades do corpo. O tabagismo, o uso de drogas ilícitas e o estresse excessivo também são fatores de risco para o problema.

Se a culpa for das veias

No caso das veias, a dificuldade é retornar o sangue de volta ao coração. Se a veia está comprometida devido à presença de varizes, a um histórico de trombose venosa ou obesidade, longos períodos permanecidos de pé ou sentado, roupas que apertam muito a cintura, insuficiência cardíaca descompensada, doença pulmonar grave e outras doenças, o retorno do sangue até o coração pode ficar comprometido.

Nesses casos, sentimos uma sensação de peso, cansaço, pernas inchadas, e às vezes até uma sensação de formigamento ou dormência devido ao inchaço. Esses sintomas pioram com o calor intenso e quando permanecemos com as pernas paradas por longos períodos de tempo, e melhoram com a elevação das pernas e com o movimento.

Dificilmente a dor venosa fará a pessoa parar de se movimentar. Com o passar do tempo, essa dificuldade de retorno do sangue venoso pode levar à insuficiência venosa crônica e às suas consequências, como edema crônico, pigmentação da pele das pernas (que fica com uma cor marrom), aparecimento de pequenas lesões que podem levar à formação de úlceras, eczema (coceira intensa normalmente acompanhada de uma lesão na pele próximo ao tornozelo do lado de dentro da perna) e aparecimento de mais varizes, podendo até desencadear uma trombose.

Opções de tratamento

O tratamento da dor arterial deve contar sempre com a supervisão de um médico especializado, e basicamente inclui:

  • Parar de fumar
  • Controle rigoroso de colesterol e triglicerídeos
  • Prática de caminhada ou exercícios aeróbicos com regularidade (no mínimo 150 minutos por semana)
  • Controle da pressão arterial, da diabetes e de doenças associadas
  • Se necessário, o uso de medicamentos para melhorar a circulação do sangue
  • Caso o tratamento clínico não seja suficiente para melhorar os sintomas, talvez uma cirurgia seja necessária.

Na dor venosa, as recomendações são:

  • Parar de fumar
  • Controle rigoroso de colesterol e triglicerídeos
  • Prática de caminhada ou exercícios aeróbicos com regularidade (no mínimo 150 minutos por semana)
  • Controle da pressão arterial, da diabetes e de doenças associadas
  • O uso de meias elásticas medicinais
  • Procurar elevar os membros inferiores várias vezes ao dia
  • Cuidar do peso e dos fatores desencadeantes.
  • Em caso de varizes, a cirurgia costuma ser o procedimento mais indicado. Se necessário, o paciente também poderá fazer uso de medicamentos para aliviar a dor.


Dor nas pernas podem indicar doenças graves

As dores nas pernas são a principal causa de reclamações nos consultórios dos angiologistas e, conforme as estatísticas comprovam, estão, na maioria das vezes, relacionadas diretamente aos problemas circulatórios. Esse quadro clínico pode ser agravado, ainda, pela associação de duas ou mais doenças, o que acontece comumente e pode dificultar o diagnóstico até para profissionais experientes.

Há, no entanto, algumas características da dor que facilitam a busca pela doença responsável por ela. Dores com sensação de peso, por exemplo, que vêm associadas a inchaço e câimbras, aumentando no fim do dia e após longos períodos em pé, costumam indicar varizes. Elas são resultado da dilatação dos vasos sanguíneos, que pode ser provocada por alterações hormonais, sedentarismo, obesidade e fatores genéticos.

Já a sensação de queimação na panturrilha durante a caminhada pode ser sinal de problemas arteriais causados pela aterosclerose, doença inflamatória na qual ocorre o entupimento das artérias por colesterol e outros depósitos de gordura. Trata-se de uma enfermidade extremamente grave, que, se não tratada corretamente, pode culminar na amputação dos membros inferiores ou, até mesmo, levar a infarto do miocárdio e derrame cerebral.

As doenças da coluna também têm as pernas como ponto frequente de irradiação.

Elas costumam gerar dor em fisgada, que tende a acompanhar o trajeto do nervo na face posterior dos membros inferiores e chegar até os pés. Os casos de dores nas articulações, sobretudo nos joelhos, mais proeminentes no início de um movimento, como ao levantar-se de uma cadeira, por exemplo, estão mais relacionados a problemas ortopédicos, como a artrose.

Cada uma das manifestações clínicas e sinais encontrados nas pernas têm importância fundamental na identificação de problemas de saúde. Deixar de avaliar meticulosamente esses sintomas pode ter como resultado o não diagnóstico de doenças graves, capazes de evoluir desfavoravelmente.
O que fica de lição é que há vários detalhes na história e exame físico dos pacientes capazes de elucidar o diagnóstico, e que todas as doenças citadas têm seu potencial de complicação se não forem devidamente cuidadas. Por isso, nenhum tipo de esclarecimento substitui uma avaliação médica. Os números mostram que o primeiro especialista a ser consultado deve ser o angiologista, ou o cirurgião vascular, devido à maior incidência das doenças que podem ser tratadas por ele.

Fontes: por Dr. Bruno Lima Naves – CRM 13800/MG / Saúde – Minha Vida / Vigor – Movimento e Saúde – Eduardo Fávero – Membro do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, especializado em angiologia, cirurgia vascular e endovascular

Compartilhe este Artigo:

 
Copyright © 2014 Tópico de Saúde. Designed by OddThemes | Distributed By Gooyaabi Templates